Pedalando pela Europa

eurovias

Quando não se pode viajar fisicamente para algum lugar, é preciso procurar alternativas, como viagem astral, mental, virtual, etc. Eu prefiro as viagens pelos livros e também pela Internet, que hoje é uma possibilidade fantástica pelo acesso às informações instantâneas através de fotos e vídeos. Neste Carnaval, por exemplo, caí na tentação de ligar a tv e adentrei num Carnaval muito animado em Salvador. Pra ver de longe, afundada no sofá com um copo cheio de cerveja gelada é ótimo, mas nem pensar em estar lá pessoalmente no meio da muvuca!

Adoro viajar, mas ultimamente minhas possibilidades de viagens longas diminuíram e o que me resta são as viagens virtuais, que aliás são ótimas! Desde julho de 2007 venho acompanhando uma viagem muito bacana de um viajante catarinense de Tijucas, cidade muito próxima de onde eu moro. Esta super aventura sobre duas rodas é do Narbal, que não conheço pessoalmente, mas desde que o encontrei no blog Eurovias, é como se eu o conhecesse há muito tempo. A viagem do Narbal já ultrapassou um ano e meio, passou por vários países do Velho Continente, e agora em fevereiro embarcou rumo à África. O blog da aventura é bem construído e com fácil navegação. Narbal disponibiliza fotos e vídeos e escreve sobre cada trecho percorrido, que começou na companhia de um amigo também catarinense e, desde sua passagem por Milão, é acompanhado por sua cúmplice italiana, a bela Francesca.

O blog tem informações interessantes sobre o povo e a tradição de cada lugar, como por exemplo, o estado precário das ciclovias em Portugal e Espanha, a receptividade silenciosa dos turcos, a receptividade calorosa dos romenos, o caos urbano da Itália, a mavilhosa paisagem do sul alemão, e questionamentos e projetos para o uso da bicicleta como meio de transporte eficiente, saudável e ecológico nas grandes metrópolis que, de acordo com ele “é uma equação difícil de ser resolvida, em que cada vez mais se promove o deslocamento de pessoas por meios de transporte individuais e principalmente motorizados”. Enfim, talvez um dia (se ainda der tempo) o homem prefira o uso da bicicleta ao dos veículos motorizados, porque há exemplos de que esta prática pode dar certo. Na Holanda e Dinamarca, Narbal mostra em vídeo que o caos existe sim, mas o caos das bicicletas (foto abaixo à esquerda). Aos poucos, cidades como Paris começam a implementar programas de incentivo ao uso das bicicletas, como o programa público Vélib’ (foto abaixo à direita), que são bicicletas de aluguel (estreado em julho de 2007) com grande aceitação pela população local.

Além da aventura, há também o desprendimento material e a superação física e emocional que uma viagem deste tipo proporciona. Dizem os viajantes que a melhor forma de se contemplar uma viagem é ir a pé. Melhor ainda é viajar com a máquina que melhor aproveita a energia humana, a inigualável magrela.

bikes

12 thoughts on “Pedalando pela Europa

  1. Leila querida, muito legal essa aventura!
    Compartilho contigo uma outra, literária, que faz parte do meu percurso por C. Lispector. Li hoje, e quando cheguei nesse parágrafo, não conseguia mais avançar. Fiquei relando. Li em voz alta para uma amiga e, quando cheguei em casa, copiei para mim. Agora divido contigo, com aquele amor genuino dos que se permitem amar até as pedras pelo caminho. bjs f
    “Mas às vezes, àquele corpo que os passos haviam tornado mecânico e leve, um mar deserto ja nada mais dizia. E procurando em si, só Deus sabe o quê, o contato com um desejo mais intenso – ele conseguiu ver o mar cheio da extrema altura dos mastros e do estertor das gaivotas! gaivotas de entranhas gritando seu hálito de sal, o alvoroço do mar dos que partem, a maré que leva adiante. Eu te amo, disse seu olhar para uma pedra, porque o súbito mar de gritos perturbara profundamente suas próprias entranhas, e desse modo ele olhou a pedra.”
    C. LISPECTOR – A maçã no escuro (p 24-25)

  2. Fala guria! Bom, eu como ex-pedalador de grandes distâncias (juntamente com o seu excelentíssimo cúmplice) adorei o post. Curti demais o blog Eurovias e tudo isso me trouxe novamente aquela nostalgia sutil de tempos passados sobre o cilindro da bicicleta.
    E isso me lembra: fala pro Ao que precisamos atualizar o site do pedalando! E o livro! E novas viagens! Mil coisas.

    Bejocas!
    Guedes

  3. Querida Flávia, obrigado por compartilhar este texto tão lindo da Clarice! beijos
    Guedes meu amigão, eu sabia que tu irias gostar deste post! Mil coisas!!! Beijocas :D

  4. Leiloca:
    assim é bem melhor, né?
    Sentadinha, com uma cerva gelada!
    Mas vê se vai treinando de verdade, até conseguires chegar na Trindade, né? Estarei esperando com belo camarão!
    beijo,
    Regia

  5. Regininha,
    Sim, e de preferência uma Eisenbahn!
    Poxa, chegar na Tridade eu consigo, só não sei ainda qual vai ser meu estado físico!! Porque depois do camarão, vai ter a volta, e geralmente o vento vira na Beira-mar, dificultando a vida até de quem caminha. Mas dá também pra voltar pelo túnel. Esse passeio vai sair, me aguarde!! Beijão

  6. Leila, menina!

    Acho que estamos na mesma freqüência, como você disse bem, mental, astral etc. Esse post é sensacional, deu vontade de sacudir a poeira da mochila e pôr o pé na estrada! Ultimamente, o espírito viajante parece ter despertado novamente por aqui também, a ponto de sonharmos dormindo e acordados. Tem coisa melhor que sair por aí, ainda mais estando, literalmente, sob a ação dos elementos? No carnaval, demos um “pulo”, depois de seis anos, lá no sul da França, ô lugarzinho lindo, lindo, lindo! Queria também fazer outra viagem, essa, sim, bem no espírito do Kerouac: alugar um carro e percorrer a lendária Route 66, parar naqueles motels e diners à beira da estrada, curtir a paisagem com o vento na cara. Ah, e tem mais outra (a mais “ambiciosa”): dar uma de Marco Polo e cruzar a Rússia até as estepes da Sibéria e voltar para a Europa via Turquia. Tudo isso a bordo de um jipe, no verão (pensando bem, por que não de bicicleta?). Bom, acho que já divaguei demais por hoje, né? :-)
    Ah, antes de me despedir, olha o que um fotógrafo austríaco fez: http://www.true-spirit.com/.
    A propósito, a Eisenbahn é uma das minhas cervejas preferidas! ;-)

    Beijos e obrigada por essa dica de viagem sobre duas rodas maravilhosa!
    Cris

  7. Nessa viagem mental, esqueci de mencionar o caos de bicicletas no Japão, onde as magrelas imperam também na megalópole, digo, Tóquio (a minha me levava pra redação, pra casa, pra estação de trem, pro supermercado…). :-) Beijos!

  8. Cris, vi o site que indicou e achei muito legal esta outra aventura sobre duas rodas motorizada!
    Eu não duvido que o Narbal, depois de percorrer a África, vá até a China, Japão e outros lugares do lado de lá. Aliás, o Japão deve ser lindíssimo!
    Realmente, uma boa aventura é apaixonante! Estou louca pra fazer a minha! :)
    Eisenbahn é tudo de bom!!! A que mais gosto é a Kölsch, e você?
    Beijos

  9. Leila, acho que o mapa-múndi está ficando muito pequeno pro Narbal. :-) Daqui a pouco ele vai dar uma de Fileas Fogg e dar a volta ao mundo em 80 dias. Aliás, se existe alguém responsável por essas nossas vontades de sair por aí é o Monsieur Verne hehehe!
    O Japão é exatamente aquele “mundo flutuante” que o Hokusai e companhia retrataram. Quando você estiver lá, vai se sentir dentro de uma daquelas gravuras do perído Edo, só não vai ver gente vestida de samurai correndo em cima daquelas pontes de madeira :-)))! Brincadeiras à parte, é um lugar muito bonito, sim, que nos convida o tempo todo à contemplação {e pros japoneses, isso é arte}.
    Ah, acabei de lembrar de um livro ótimo desse fotógrafo, chama-se Plate dishes, é maravilhoso. Dá uma olhadinha: http://www.platesanddishes.net/.
    Eu sou meio suspeita em se tratando de cerveja — adoro prová-las todas, e da Eisenbahn gosto da Dunkel e da Pale Ale.

    Beijos!

  10. Cris, não sei se vai dar tempo de conhecer o Japão nesta vida!! Tomara! :)
    Que ótima idéia o Stephan Schacher teve, hein? Belas fotos, belos pratos. Adorei a dica.
    Só pra te água na boa, logo irei a Blumenau, e lá tem o bar da Eisenbahn. Claro que eu vou dar um pulo por lá e tomar umas cervejinhas!! Que delícia!!!! beijos

Leave a Reply

Your email address will not be published. Required fields are marked *

You may use these HTML tags and attributes: <a href="" title=""> <abbr title=""> <acronym title=""> <b> <blockquote cite=""> <cite> <code> <del datetime=""> <em> <i> <q cite=""> <strike> <strong>