Monthly Archives: October 2008

Dia das Bruxas

Há um ano atrás publiquei este texto aqui e resolvi compartilhá-lo novamente com vocês, porém com um acréscimo no final sobre gatos pretos:

É comum pensar que o dia de Halloween é um feriado bobo, comercial e estadunidense. Na verdade os estadunidenses popuparizaram uma tradição originalmente Celta.

A origem do Halloween remonta às tradições dos povos que habitaram as Ilhas da Grã-Bretanha entre os anos 600 a.C. e 800 d.C., e não tinha relação com bruxas. Era um festival do calendário celta da Irlanda, celebrado entre 30 de outubro e 2 de novembro. O Festival de Halloween (hallow evening = noite sagrada) era a celebração que comemorava o final do período fértil da Deusa Celta Eiseria. Diz a lenda que quando o ciclo fértil da deusa chegava ao fim, no dia 31 de outubro, o “véu” entre o mundo material e o mundo dos mortos (ancestrais) e dos deuses (mundo divino) ficava mais tênue. Máscaras eram usadas em respeito à deusa que não desejava ser vista pelos olhos dos homens. Este dia também precede o dia de Todos os Santos, que é a celebração do início de um novo ciclo de fertilidade para a Deusa Celta Eiseria.

O Halloween é muito popular na Irlanda, onde é uma data repleta de significados espitiruais, culturais e históricos, e apesar de ser mais conhecida hoje por Halloween, no idioma celta ainda se fala “Oíche/Oidhche Shamhna” que significa a “Noite de Samhain” ou Festival de Outono. Samhain significa ‘novembro’. Tradicionalmente, “Samhain” era tempo de avaliar os rebanhos e estoques de grãos, e decidir quais animais necessitariam ser abatidos para que as pessoas e o gado sobrevivessem durante o inverno. Este costume é, ainda hoje, praticado pelas pessoas que vivem da agricultura e da pecuária.

Na Escócia , a “Noite de Samhain” é um dos principais festivais do calendário celta, e a celebração pelo final da estação da colheita (final do verão). Também está ligado ao Ano Novo Celta. É ainda um costume, em algumas regiões, reservar lugares para os mortos durante a festa de Samhain, e relembrar contos dos antepassados nesta noite.

A relação da comemoração desta data com as bruxas teria surgido na Idade Média com as perseguições incitadas por líderes políticos e religiosos, sendo conduzidos julgamentos pela Inquisição, com o intuito de condenar os homens ou mulheres que fossem considerados curandeiros e/ou pagãos. Todos os que fossem alvo de tal suspeita eram designados por bruxos ou bruxas, com elevado sentido negativo e pejorativo, devendo ser julgados pelo tribunal do Santo Ofício e, na maioria das vezes, queimados na fogueira nos designados autos-de-fé. Essa designação se perpetuou e a comemoração do Halloween foi levada até aos Estados Unidos pelos emigrantes irlandeses no século XIX, ficando assim conhecida como o “dia das bruxas”.

Gatos pretos são constantemente associados às bruxas, isto porque na Idade Média, acreditava-se que os gatos pretos eram bruxas transformadas em animais. Por isso, a tradição diz que cruzar com gato preto é azar na certa. Os místicos, no entanto, têm outra versão. Quando um gato preto entra em casa é sinal de dinheiro chegando.

Gato preto simboliza a capacidade de meditação e recolhimento espiritual, autoconfiança, independência e liberdade, a plena harmonia com o unirverso. E mais, acariciar um gato atrai boa sorte e ter um gato em casa atrai fortuna.

Fonte: Wikipedia

Eu amo tipografia

I love Typography (iLT) é um blog projetado para inspirar seus leitores e torná-los pessoas mais conscientes da tipografia que está em todos os lugares, desde o creme dental diário até cartazes, livros e revistas… a lista é interminável e as possibilidades também. O autor, John D Boardley, traz o assunto da tipografia para as massas e reúne posts muito criativos, como o Sunday Type: napkin type e Friday Flickr found type. Há também entrevistas, resenhas de livros, artigos, objetos e muitos links relacionados à tipografia.

Le Chat Noir

O Chat Noir ilustrado na foto acima (à esquerda) é muito popular e provavelmente você já o viu impresso em algum lugar. Seu criador, porém, não é tão conhecido assim.

Théophile Alexandre Steinlen (1859-1923), pintor, ilustrador e impressor nasceu na Suíça. Em 1881, aos 19 anos, mudou-se para Paris e dedicou-se ao desenho profissionalmente. Frequentou os cafés de Montmartre, principalmente o famoso Le Chat Noir (fundado pelo seu colega suíço Rodolphe Salis), onde travou conhecimento com artistas de vanguarda, como Toulouse-Lautrec, Adolphe Willette, entre outros. Tornou-se um dos colaboradores regulares da revista Le Chat Noir, e logo começou a desenhar para a maioria das revistas de humor, às vezes utilizando o pseudônimo de Jean Caillou. Trabalhou também no Gil Blas illustre (fez mais de quatrocentos desenhos), Mirliton, Chambard, Rire e L’Assiette au beurre. Em 1911, tornou-se um dos 13 jornalistas fundadores da Les Humouristes, cuja duração foi curta, infelizmente.

Steinlen adorava gatos. Seu afeto por animais foi observado já em sua escolaridade, quando desenhava gatos nas margens de seus cadernos. No início de sua carreira, vendia desenhos de gatos em troca de comida. Nos anos posteriores, gatos aparecem na maioria de seus desenhos, ilustrações para revistas, cartazes ou litografias, quase como uma espécie de assinatura. O artista desenhou, pintou e esculpiu-os. Tentou traduzir toda a imaginável sutileza de seus movimentos, poses, charme, caráter, assim como suas propriedades simbólicas. O período em que esculpiu os felinos é pouco conhecido, porém, o Museu de Berlim conservou uma de suas peças em bronze, chamada “Um Angorá”.

Em Paris, sua casa na Rue Caulaincourt foi um local de encontro para todos os gatos do quartier. Vários dos estudos dos gatos de Steinlen foram compilados em uma publicação intitulada “Des chats”. A filha Colette, escritora e tal como o pai, grande apreciadora de gatos, serviu-lhe de modelo para o cartaz “Le Lait de la Vingeanne” (acima, à direita).

Vivaaaa!

Há um ano o Gatopreto foi criado! Relendo o 1º post, o dia nublado se repete, talvez porque gatos gostem de dias nublados… são melhores para dormir! Além de nublado, está chovendo.

Obrigado a você que lê este blog!

Escrever não é fácil, o mundo paralelo e acelerado não dá trégua e muitas vezes o escrever é um estar só e silencioso. Gatos gostam de estar só, mas sempre com os bigodes atentos a algum novo comentário que os deixem mais animados!

Um abraço e um ronrom.

Diário compartilhado de todas as manhãs

De manhã, antes que as atividades do dia comecem, é o tempo ideal para se fazer uma pausa. Stephanie Congdon Barnes, designer que vive em Portland, Oregon (EUA), relata que sua primeira ação de todas as manhãs é ferver a água para o café. Maria Alexandra Vettese, artista gráfica que vive com seus dois gatos em Portland, Maine, relata que em seus sonhos está sentada à mesa de uma sala quente escrevendo cartas à mão. São 3.191 kilômetros de distância entre estas duas mulheres que, no dia 1º de janeiro de 2007, iniciaram uma conversa fotográfica quase que diária.

3191, A Year of Mornings é um diário fotográfico onde as duas amigas virtuais tiraram fotos de objetos do cotidiano. O blog terminou em 31 de dezembro de 2007 e o projeto foi transformado em livro, publicado pela Princeton Architectural Press. O livro contém 236 imagens, sempre tiradas antes do meio-dia, sem qualquer combinação entre as duas, cuja amizade é mantida exclusivamente online. As fotografias irradiam uma aura de doçura e promessa de um novo dia, como uma simples visão pela janela num dia nublado ou uma toalha combinada com algum objeto sobre a mesa.

Agora, as duas amigas partilham outro projeto: 3191, A Year of evenings, outro relato fotográfico sustentado por momentos de serenidade, solidão e tranquilidade entre olhares distantes.

Instant Origami

Instant Origami é uma interpretação contemporânea da tradicional técnica japonesa de dobradura em papel. Tem foco na velocidade e imaginação ao invés de sua brilhante técnica de execução. O objetivo é criar a representação de um objeto através da dobradura de um único papel, sem a utilização de cola.

A realização de extensas pesquisas na área, bem como a obtenção do conhecimento através de uma formação prática com monges budistas, tanto na China como no Japão, tem-nos ajudado a desenvolver e chegar a novos e melhores métodos.

Se você é um árduo trabalhador executivo, um constante viajante ou uma mãe ocupada, vai encontrar alegria usando o Instant Origami. Ele não serve apenas como uma maravilhosa ferramenta para a mediação acelerada, mas também vem a calhar se você precisar de um presente instantâneo ou simplesmente para impressionar”.

Traduzi este texto do site, super clean e muito divertido!

Colhido em: Highmind.