Category Archives: Crafts

UPPERCASE journal

Para quem curte o universo vintage, uma boa dica é o blog UPPERCASE journal, escrito pela canadense Janine Vangool, diretora da Vangool Design + Typography e autora do livro Work/Life: the UPPERCASE directory of Canadian Illustration & Photography, publicado este ano.

No UPPERCASE journal você encontrará os criativos produtos exclusivos criados por Janine, e uma ótima galeria de ilustradores, livros, crafts, papergoods e tudo o que se relaciona com o mundo do design e ilustração. Desde sua abertura em 2005, o Uppercase journal tem hospedado exposições de alguns notáveis talentos canadenses, como Aaron Leighton, Renata Liwska, Camilla Engman, e alguns outros não canadenses como Christopher Silas Neal e Lisa Congdon.

Mas se você partilha um amor por máquinas de escrever, um dos tesouros do blog é a categoria typewriters, criada pela motivação de Janine em fotografar sua coleção vintage de fitas para máquinas de escrever, e que hoje armazena uma coleção de preciosidades relacionadas às typewriters. Além de fotos, livros e artigos, há também criativos eventos como a Typewriter Week (um convite para o leitor enviar suas próprias fotos, links e informações sobre suas máquinas de escrever); e o Typewriter Club: uma reunião que acontece aos sábados, onde os amantes das máquinas se encontram para conversar, ler e escrever.

Tricoteiro fashion

Aqui no Brasil os desfiles primavera-verão 2009 já aconteceram e as lojas estão liquidando todas as mercadorias que lembram o inverno. Mas peraí, falta um mês e meio para o fim da fria estação! Este clima anda muito pirado e é uma pena porque adoro o inverno e até agora usei pouca lã.

E por falar em lã, uma das novidades desta estação foram o casacos de pontos gigantes do knitting designer brasileiro Lucas Nascimento. Radicado na Inglaterra, Lucas se destacou como assistente do mestre do tricot Sid Bryan, produtor de peças para grifes como Alexander McQueen e Prada.

O gosto pelo tricot veio cedo, aos 11 anos Lucas aprendeu a tricotar com a mãe e hoje, aos 28, cursa o último período de graduação na London College of Fashion em Fashion Design for Knitwear (design em tricot). Nesta profissão ainda pouco reconhecida, o tricoteiro fashion já é considerado uma personalidade no mundo da moda e aos poucos está conquistando seus próprios clientes.

Para fazer os casacos de pontos gigantes, Lucas usa agulhas de até 25 mm de diâmetro e uma lã muito grossa chamada merino wool, que só pode ser trabalhada manualmente.

PS: Cada rolo do merino custa em torno de 500 reais.

Salve, salve 2008!

Gato PretoI’m back! Depois de um ótimo e agradável Natal em família em Rio Negrinho, voltei pra casa feliz e contente por rever meu gato cúmplice e meus dois gatos pretos. E feliz por reencontrar meu computador, para dar continuidade a este blog, aos trabalhos, enfim, a toda a vida. Mas e não é que o computador não ligou mais? Nenhum sinal, nada. Tentamos de tudo: desmonta daqui, monta dali, levei na assistência e o veredito final foi que o computador is dead. Uma pena, eu adorava aquela latinha velha! Ter um apple é bom, mas quando falha, falha pra valer. Com ele foram 3 anos de bookmarkers na net, e um bocado de assuntos já pré-pesquisados para entrarem neste blog… Enquanto uma nova maçã não chega, sou obrigada a tirar férias, adiar trabalhos, deixar de escrever neste blog que gosto tanto. Ou seja, este blog de parado, passará ao estágio de “devagar, quase parando”.

E enquanto a cidade se entope lá fora (aliás, saiu hoje uma reportagem na capa do uol sobre o crescimento desordenado em Floripa), janeiro é, para mim, um mês para ficar em casa, curtir as coisas do dia-a-dia, planejar o ano. Ficar longe do computador também é bom, porque assim posso colocar minhas leituras em dia (pois é, estive muito em Londres, lá pelos anos de 1915, e em outro post contarei melhor esta história); me afundar no sofá e assistir à minha série preferida do momento; e praticar algumas atividades manuais. A boa novidade é que o Gato Preto saiu da tela e foi pro papel. Na foto acima você confere algumas das minhas experimentações em serigrafia e na foto abaixo, o Gato Preto deu um pulo nos meus crafts. Espero que em 2008 o Gato Preto dê muitos pulos, e bem altos!
pillows

Compre um Handmade

handmade

O Natal está chegando e para quem está procurando por algo diferente e também tenta fugir da loucura das compras de final de ano, a dica é juntar-se ao manifesto Buy Handmade, ou seja, além de apoiar um artista crafter, você compra um presente singular, feito com carinho e atenção – habilidades que estão muito em falta nas produções em alta escala.

Vale lembrar que no período do Natal, a economia global acelera e com isso aceleram também todos os efeitos nocivos em relação à Terra, pois a produção em massa é uma das principais causadoras do envenenamento das riquezas naturais do planeta. E no momento em que todos (nem todos, aliás, nem a maioria) páram para repensar os efeitos ambientais em nosso planeta, por que não fazer diferente em relação ao estilo de compras de Natal? Presenteie a pessoa amada com algo realmente significativo, evitando também as longas filas em estacionamentos, o mau humor dos vendedores, os preços altos e a impessoalidade de um objeto made in China.

“Somos encorajados a sermos apenas consumidores, e não produtores de nossa própria cultura. Nossos laços com as mercadorias locais estão se perdendo e comprar um Handmade nos ajuda a retomar essa relação”. É o que diz o manifesto. Bora lá!!

handmade pledge

Quilt

quilts

O vento frio em plena primavera no sul do Brasil me lembra um tipo de cobertor macio, quentinho e charmoso: o Quilt.

Quilts são cobertas produzidas geralmente à mão e se caracterizam por três camadas: o tecido superior ou topo da coberta (feita pela união de vários pedaços de tecidos, formando desenhos, texturas ou até histórias), um material isolante como’ recheio’, e um material de apoio (forro). A palavra “quilt” provém do latim ‘culcita’, uma espécie de colchão ou almofadão preenchido com algo macio e quente (geralmente penas ou lã) e usado para cobrir. Quilting (que significa acolchoamento) e Patchwork são parceiros no mundo do craft, e têm estado juntos por milhares de anos.

Evidências da existência do quilting retrocedem a vários séculos antes dos romanos. Um tapete funerário achado na Rússia, no chão do túmulo de um chefe é datado entre 100 a.C. a 200 d.C. Um dos mais importantes usos do quilting em sociedades antigas foi na confecção de armaduras pessoais e usados especialmente pelos exército da China, Japão, Índia e também da Europa, até a Idade Média, pois forneciam uma defesa efetiva contra golpes de espadas, lanças e flechas. Foram encontrados também alguns artigos sobreviventes ocasionais na Sicília, que datam do final do século XIV. Na América do Norte, especialmente nos Estados Unidos, o quilt fazia parte da cena social, particularmente nas áreas rurais, onde eram praticados desde os tempos da colonização. Serviam como ferramenta de sobrevivência e eram a única forma de expressão criativa de mulheres que muitas vezes viviam em lugares isolados.

Quilt pieceHoje, os Quilts são populares mais por suas qualidades estéticas e artísticas do que por sua funcionalidade. As razões para se fazer um Quilt são diversas: eles podem ser simplesmente algo para manter as pessoas quentes; ser cópias dos velhos quilts, celebrando o passado; ou ainda, brincar com padrões e texturas de tecidos por puro prazer, pelo exercício e pela beleza do resultado que o torna único.

logoA designer estadunidense Denyse Schmidt reinterpreta a tradição dos Quilts criando cobertas modernas e com encantadoras combinações de cores. As cobertas são feitas à mão, uma a uma, e os projetos são feitos sem padrões, num método de improvisação — um processo mais como pintura ou colagem que tecido de retalhos tradicional. O resultado é que nenhuma das cobertas são semelhantes. Os tecidos são 100% de algodão e cuidadosamente pré-lavados, e cada Quilt é assinado e datado por Denyse.

Vale à pena se inspirar!

quilts

Fonte: Wikipedia

Fofy's World

fofysland

O meu primeiro post sobre crafts não poderia ser outro, a não ser sobre a Fofy’s Factory, e as criações de uma moça muito fofa chamada Carol Grilo, que além de crafiteira e empresária, é também arquiteta e ilustradora.

Conheço os produtos da Fofy’s desde 2004 (tenho um caderno inseparável com capa de gatinho by Fofy’s) e desde lá a empresa, que segundo Carol surgiu de uma brincadeira, cresceu muito e merecidamente. Hoje A Fofy’s Factory está espalhada por todo o Brasil e em algumas partes do mundo.

Em maio deste ano, reencontrei a Carol no BarcampFloripa e contei que estava inventando alguns cratfs e ela me incentivou muito. Abri uma conta no Flickr (que ainda não era ‘pro‘) e então passamos a nos corresponder com mais frequência. Hoje acompanho sua produção mais de perto.

fofysbagA FofysFactory© é formada por Carol, sua mãe Gabriela Salomon e mais 4 máquinas de costura. Todos os produtos são feitos à mão, um a um e são de altíssima qualidade. Se nas fotos os produtos já são fofos, ao vivo eles são ainda mais encantadores! É impossível não se apaixonar pelas fofysbags, fofysbigs, porta moedas, buttons, toucas… e também é difícil comprar pouco, pois todos os produtos são tentadores.

Se você achou a Fofy’s Factory muito fofa e quer conhecer melhor os seus produtos, acesse aqui. E se você quiser conhecer um pouco mais sobre o processo de criação da Carol, no site Superziper você encontra uma entrevista, onde ela relata um pouco mais sobre o seu universo.